domingo, 14 de dezembro de 2008

É viola, mermão!

Na minha época de guri a gente brigava muito entre amigos. Dizem que é a melhor escola pra aprender a sair na mão com alguém. Geralmente quando dois neguinho se estranhavam, outro mais velho colocava a mão na frente dos dois e dizia:

- Quem cuspir aqui, primeiro, ganha (e tirava a mão na hora das cusparadas).

Aí era um "Deus nos acuda". Quando os dois já estavam pra se matar, alguém separava. Depois era a resenha pra saber quem ganhou.

Mas hoje em dia a coisa tá braba. Rolou o primeiro tapa e a gente já ouve também o primeiro tiro. Creimdeuspai.

Por isso é bom tá ligado nos primeiros sinais de porrada quando você estiver em Salvador. Se não souber jogar uma boa capoeira ou não tiver gás pra abrir no primeiro pipoco de bala, se pique.

O primeiro sinal é quando você ouvir um cara retado falar pro outro:

- Colé de merma, mermão?

Aí vale uma reflexão. Como é que os caras chegaram a essa expressão indecifrável? Vamos desconstruir?

"Colé" = Qual é (abreviado e distorcido, pra dar um ar de tensão e brabeza)
"de merma" - (começou com meu irmão... tipo "Qual é a sua mesmo, meu irmão?"... Aí "mermão" e "mesma" virou "merma" e você já sabe no que deu)
E o outro "mermão" no final é só pra ressaltar

Aí, mermão, pode ter certeza que o pau vai comer. Se você não estiver na hora da porrada, vai saber que rolou "viola" quando chegar alguém e disser que "rolou o maior pau" no outro lado da rua.

E como na Bahia todo samba de roda com uma viola fica mais gostoso, o adicional "viola" significa que a briga foi das boas. Daquelas com direito a voadora estilo Chuck Norris, garrafada e cadeirada. "Rolou o maior pau viola no bar, véi!".

Outro bom sinal de que o pau vai comer (lá ele) é o "vai inchar", que pode vir acompanhado do famoso porra. Aí dá pra sacar né? O que acontece quando alguma coisa incha demais? Geralmente EXPLODE. "A porra vai inchar, véi... Bora sair daqui"... Pode ter certeza que em segundos a porrada vai ser generalizada.

Por fim, seguindo a lógica da porra inchada, vem o "barril" (de pólvora, claro!!). Todo barril de pólvora tem que explodir, senão não tem graça. E aí, brother, quando seu amigo disser que "é barril" aquele bar estranho que você viu, já bêbo, e tá afim de tomar a saideira, se saia. Se saia. É bem provável que ao primeiro gole de cerveja você tome um "pedala Robinho" só porque o maluco da mesa ao lado não foi com sua cara.

Se ligue, mermão! Senão o negócio pega pro seu lado, tá ligado?

[Em tempo... agradeço aos parabéns da Autora. Após certa idade a gente para de comemorar, mas tudo bem, heheh. Thanks!]

3 comentários:

Wagner Ferreira disse...

Rapaz.. lá no meu país (Uruguai) o nome dado a um tiro é "papoco", e não "pipoco"; no contexto da frase: "Se ligue miserê, vai rolar um papoco daqui a poco!"

Petrus.84 disse...

Só faltou você dizer que o verbo "se sair" é reflexivo.
Eu me saio,
Cê se sai,
A galera toda se sai,
Os cara se saem.

E a variante "partir a mil"
Eu parto a mil
Cê parte a mil
A galera toda parte a mil
Os caras tudo parte a mil

E quem ficar é brocoió.

Monique Garcia disse...

Gente,moro em São Paulo a 17 anos o Blog de vcs foi indicado pela minha irmã por parte de pai (bem baiano isso),que mora no Canadá e que me mandou o texto do láele.Muito bom deu muita mais muita risada com vcs.Geralmente vou a Salvador a cada dois anos e me delicio com o nosso famoso baianês,bora pra praia toma água.Saudades dessa terra linda e cheia de graça,literalmente falando.
Valeu meu véio